A formação desenvolvida pela InForTraining para o mercado empresarial é um serviço realizado à medida de modo a satisfazer desejos ou necessidades de conhecimento, ou resolver problemas da organização, de forma padronizada ou personalizada, acrescentando valor aos percursos profissionais dos seus colaboradores e à organização (empresas ou outro tipo de entidades).

Conhecendo as constantes mutações do tecido empresarial e as preocupações com que os empresários portugueses se deparam atualmente:

  •   Adaptação à realidade económica do país;
  •   Sobrevivência no mercado atual cada vez mais competitivo e difícil;
  •   Aumento da qualidade de gestão, produtos e serviços;
  •   Preocupação com as qualificações necessárias dos seus colaboradores para um ótimo desempenho das suas tarefas;
  •   Implementação de novas tecnologias.
  • Elaborar diagnósticos de necessidades de formação;
  • Planear estrategicamente a formação profissional a implementar;
  • Organizar, implementar e acompanhar a formação;
  •  Avaliar e validar a formação desenvolvida.

Apresentamo-nos hoje, junto das empresas, com recursos necessários para:

MEDIDA ESTÍMULO EMPREGO

Medida Estímulo Emprego – IEFP (Programa Estímulo) foi criada pela Portaria 149-A/2014 de 24 de julho e define os apoios à contratação por parte das empresas.

A InForTraining dispõe de cursos para que possa facultar ao colaborador as 50 horas de formação obrigatória.

Curso Medida Estímulo

Formação Obrigatória

As empresas, dita a lei, têm o dever de formar todos os seus trabalhadores. Em concreto, o Código do Trabalho determina que todas as empresas deverão dar 35 horas por ano de formação contínua obrigatória a 10% dos seus trabalhadores, pelo menos.

FORMAÇÃO CONTÍNUA OBRIGATÓRIA – DIREITOS E DEVERES
Para os colaboradores da empresa, frequentar cursos de atualização é um dever, uma vez que determina a necessidade de revisão e aprofundamento constantes de conhecimentos, mas também um direito que deve ser exercido em horário de trabalho.

O QUE PREVÊ A LEI EM CASO DE INCUMPRIMENTO POR PARTE DA EMPRESA?
Se a sua empresa não lhe deu formação contínua obrigatória, além de, com esse incumprimento, incorrer numa contra ordenação grave, é obrigada a compensá-lo. O código do trabalho dita que, se ao fim de dois anos o trabalhador não tiver ainda as 35 horas aplicadas em cursos de atualização, todas essas horas em falta serão retribuídas sob a forma de um crédito de horas em igual número para formação por iniciativa do trabalhador.

EM QUE REVERTEM AS HORAS DE FORMAÇÃO CONTÍNUA OBRIGATÓRIA EM FALTA?
Este crédito de horas dá direito a retribuição e conta como tempo de serviço efetivo. O trabalhador pode utilizar o crédito de horas para a frequência de outros cursos, mediante comunicação ao empregador com a antecedência mínima de 10 dias. O crédito de horas que não seja utilizado cessa passados 3 anos sobre a sua constituição.

SE O EMPREGADOR NÃO LHE DER FORMAÇÃO CONTÍNUA OBRIGATÓRIA, HÁ LUGAR A INDEMNIZAÇÃO?
Indemnização propriamente dita, só em caso de cessação do contrato de trabalho. Uma vez cessado o contrato de trabalho, o trabalhador tem direito a receber a retribuição correspondente ao crédito de horas de formação contínua obrigatória de que seja titular à data da cessação.

Se o seu caso particular envolver outro tipo de particularidades que não estejam clarificadas no Código do Trabalho, poderá aconselhar-se perante um advogado, ou no seu sindicato, ordem ou associação profissional.

A InForTraining TEM A SOLUÇÃO PARA SI!